Como Ser Resiliente: 4 Passos Para A Transformação

Como Ser Resiliente: 4 Passos Para A Transformação

Resiliência

Resiliência

Neste artigo, Como Ser Resiliente: 4 Passos Para A Transformação, o objetivo é ajudar você, que está interessado em lidar melhor com as situações da vida, independentemente dos impactos que elas lhe impõem.

E a boa notícia é que isso é possível, em alguns passos simples que envolvem:

  • Entender o que é resiliência
  • Aceitar a necessidade de mudar
  • Absorver características de resiliência
  • Fazer da resiliência um hábito

Entender O Que É Resiliência

Flexível

Flexíveis

Para entender o que é resiliência é preciso saber que essa palavra veio da física e tem a ver com a resistência dos materiais.

Isto é, resistência sem deformações, especialmente quando sob impactos. A partir desse entendimento, a palavra passou a ser usada em outros campos de conhecimento, como psicologia, inteligência emocional, relacionamento humano, administração e outros.

Portanto, aplicada ao desenvolvimento do ser humano, resiliência é a capacidade de receber impactos, especialmente emocionais, mas logo voltar ao estado normal.

Então, ser resiliente é ter a flexibilidade da grama verde que sobrevive às tempestades e, em geral, logo volta ao seu estado normal.

Envolve sua reação aos acontecimentos, às perdas, bem como ao que outros dizem e fazem, às provocações e assim por diante.

Portanto, ser resiliente é ter, mental e emocionalmente, a flexibilidade e a leveza de movimento de uma dançarina de balé clássico, que faz sua apresentação, às vezes sentido dores, agradece à plateia e volta ao seu estado normal, com sentimento de realização e gratidão.

Partindo desse entendimento, vamos ao segundo passo.

Aceitar A Necessidade De Mudar

Superar

Superação

E, para aceitar a necessidade de mudar, é preciso entender as suas reações aos acontecimentos, por meio de perguntas bem pessoais, talvez como estas: como reajo aos acontecimentos da vida?

Com exageros emocionais? Sofro por longo tempo quando enfrento uma perda? Foco o sofrimento em vez da recuperação?

Demoro demais para seguir em frente com minha vida, meus projetos, etc.? Fico facilmente ofendido ou magoado com o que outros dizem ou fazem e demoro para me recuperar?

Reajo de forma brusca às provocações ou tenho flexibilidade emocional para amortecer os choques e as batidas de frente impostas por outros?

Entendo que é possível mudar e quero essa mudança? São fortes os meus motivos para querer mudar?

Essas e outras perguntas são necessárias porque sem elas você talvez conclua que está bom assim. E, nesse caso, vai continuar sofrendo muito além da média.

Mas esse é um campo muito pessoal, e o primeiro passo para mudar, claro, é aceitar a necessidade de fazer isso e se comprometer com o resultado.

Evidentemente, isso só se aplica se você concluir que não é uma pessoa resiliente ou que pelo menos precisa melhorar. Dito isso, vamos ao terceiro passo.

Absorver Características De Resiliência

Flexibilidade

Ser flexível

Mas, como absorver características de resiliência? Quais são algumas delas? Paciência, saber ouvir, cordialidade, senso de humor, empatia, autoestima, simpatia, habilidade de comunicação interpessoal, capacidade de adaptação, inteligência emocional.

Portanto, absorver características de resiliência envolve entender o sentido de cada uma delas bem como sua aplicação na vida, em qualquer situação, desde o ambiente familiar, o profissional e e outros.

• Paciência
• Saber ouvir
• Cordialidade
• Senso de humor
• Empatia
• Autoestima
• Simpatia
• Habilidade de comunicação
• Capacidade de adaptação
• Inteligência emocional

Paciência. Essa capacidade, a virtude de suportar situações e pessoas enquanto mantém a calma, a paciência, sem dúvida é parte integrante de uma personalidade resiliente.

E vale dizer que alguém naturalmente paciente gosta de ser assim e os demais à sua volta, também.

Saber ouvir. Saber ouvir inclui, às vezes, o exercício da paciência e prestar atenção enquanto o outro fala, sem interromper.

Saber ouvir implica em ouvir como que sentindo a dor do outro, mas sem sofrer com isso. O que inclui, ainda, outra virtude, a empatia. Sem dúvida a resiliência reúne um conjunto de virtudes nobres.

Cordialidade. A pessoa cordial é afável e amável nos tratos com outros e se sente bem com isso.

O que significa dizer que, mesmo em ambiente hostil, consegue, em geral, até a boa-vontade dos demais.

Portanto, mais virtude da resiliência que possibilita amortecer os choques, as batidas de frente que às vezes ocorrem no ambiente de trabalho e outros.

Senso de humor. Sem dúvida, o senso de humor, essa habilidade ver o lado cômico das coisas e das situações ajuda a amortecer os impactos da vida, especialmente, ao lidar com pessoas nos diversos ambientes da vida.

Em praticamente qualquer situação da vida a pessoa que tem senso de humor consegue ver e sentir esse lado cômico das situações. Eis aí mais uma características das pessoas resilientes.

Empatia. Embora já mencionada em conexão com a habilidade de saber ouvir, a empatia, essa virtude que possibilita à pessoa se colocar no lugar da outra, sentir sua dor, mas sem sofrer, é parte integrante da resiliência, em especial quando envolve uma interação em grupo nos mais diversos ambientes da vida.

Autoestima. Essa virtude, a autoestima, que inclui um senso de valor próprio, a ponto de não ficar facilmente magoado ou ofendido com o que outros dizem ou fazem, é essencial quando se precisa interagir em um grupo, seja no trabalho ou nos demais da vida.

Portanto, pode-se dizer que uma pessoa resiliente tem também uma autoestima elevada, o suficiente para não sofrer com os atritos decorrentes do relacionamento humano.

Simpatia. Pode-se dizer que a simpatia é a habilidade de atrair sem causar choque.

A verdade é que a pessoa simpática atrai de forma tão positiva os demais, que estes em vez de se chorarem com ela a protegem.

Portanto, uma qualidade que faz parte da receita resiliente, a simpatia amacia, por assim dizer, os relacionamentos.

Habilidade de comunicação. Essa habilidade reúne algumas das características anteriores, como saber ouvir e ser cordial.

E inclui saber responder e comunicar sem produzir choques. A pessoa resiliente se comunica bem e, em geral, é bom negociador e sabe apaziguar os ânimos mais alterados e reduzir os choques que de outro modo poderiam causar dano àqueles que se encontram no mesmo ambiente e precisam interagir.

Capacidade de adaptação. A pessoa resiliente é como certas plantas que se adaptam nos mais diversos solos e climas, e isso a faz crescer sem demasiado sofrimento.

Mesmo nas intempéries, no calor das discussões, os resilientes se saem melhor, se adaptam e crescem independentemente das situações. Sim, o resiliente se adapta e se recompõe após as tempestades, inclusive, e com notável rapidez.

Inteligência emocional. Essa inteligência faz a pessoa conhecer melhor suas próprias emoções e lidar com elas inteligentemente.

E, ainda, trabalhar com suas emoções a ponto de se beneficiar. Alguém com inteligência emocional tem a incrível habilidade de se motivar sem depender de ajuda externa.

É o tipo de inteligência que possibilita lidar melhor com frustrações e desapontamentos.

Portanto, uma característica das pessoas resilientes.

Feitas essas observações, nada mais normal que perguntar: posso me transformar em alguém habitualmente resiliente? Ou seja, posso fazer da resiliência um hábito? Abaixo, a resposta.

Fazer Da Resiliência Um Hábito

Dançar

Dance

Para que a resiliência se torne uma característica de sua personalidade é bom que a transforme em um hábito.

Você se conhece e sabe quais são, habitualmente, as suas reações aos episódios diários de sua vida.

Portanto, como sugestão, grave em sua mente uma pergunta que possa ser usada como gatilho para acessar uma resposta resiliente diante de qualquer situação.

Em outras palavras, de forma bem consciente, diante de qualquer situação, decida que não agirá simplesmente por impulso.

A não ser em uma situação de iminente perigo, como por exemplo, quando está atravessando uma rua movimentada e percebe que vai ser atingido por um veículo em alta velocidade.

Quer dizer, em uma situação dessas você talvez tenha mesmo de agir por impulso e se lançar em um pulo rápido para a calçada. Mas isso é só um exemplo.

Pois, na maioria das situações você tem tempo de pensar e acessar respostas resilientes, mesmo quando alguém bate de frente, ameaça e assim por diante.

Ou, ainda, quando está enfrentando uma situação que envolve a sua saúde ou a saúde de uma pessoa querida, os pais, por exemplo.

Nos dias de hoje, com tantos altos e baixos, tantos impactos, ser resiliente se tornou uma necessidade.

Para muitos é quase uma questão de sobrevivência. Mas a boa notícia é que você pode se tornar alguém resiliente. Um bom começo é seguir as sugestões neste artigo. Então, sucesso!

 

BAIXE GRÁTIS O SEU

E-BOOK SUPERE AS EMOÇÕES NEGATIVAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.